Prescrição eletrônica com assinatura digital

Em resposta a ofício enviado pelo CRF-SP à Anvisa que questiona sobre a possibilidade de dispensação de medicamentos mediante apresentação de prescrições eletrônicas com assinatura digital, inclusive aqueles sujeitos ao controle especial da Portaria SVS/MS nº 344/98, a Agência divulga seu posicionamento sobre o tema e esclarece a respeito dos critérios para a dispensação de tais medicamentos nas farmácias e drogarias.

Na resposta, recebida na última sexta-feira, 21/2, a Anvisa enviou nota técnica sobre o assunto elaborada pela Gerência-Geral de Monitoramento de Produtos Sujeitos à Vigilância Sanitária (GGMON).

A análise aponta que, considerando “os termos instituídos pela Medida Provisória nº 2.200-2, de 24 de agosto de 2001, e portanto, por imposição legal, conclui-se que a emissão de Receitas de Controle Especial e prescrições de medicamentos antimicrobianos com assinatura digital podem ser aceitas, desde que a farmácia ou drogaria disponha de recurso para consultar o documento original eletrônico.”

O CRF-SP, desde 2016, tem o mesmo entendimento sobre a possibilidade de aceitação de tais receituários para dispensação de medicamentos em farmácias e drogarias e vem orientando os farmacêuticos sobre o assunto, conforme matéria pioneira publicada no portal do CRF-SP na época. Veja aqui

Ressalta-se a exceção de medicamentos que contenham substâncias da Portaria SVS/MS nº 344/98, que necessitam de Notificações de Receita para a dispensação, conforme modelos estabelecidos em legislação vigente e previamente impressas em gráficas (listas A1, A2, A3, B1, B2, C2 e C3), pois nesses casos não há possibilidade de aceitação das prescrições no formato eletrônico.

A Anvisa destaca que a guarda da receita é de responsabilidade do estabelecimento no qual ocorreu a dispensação, sendo que para as prescrições digitais esta poderá ocorrer da seguinte forma:

– uma via no formato eletrônico, que pode ser obtida também por meio de download do documento, o qual será utilizado para a comprovação da saída do medicamento do estoque em eventuais fiscalizações; e

– uma via no formato impresso para fins de consulta ao documento eletrônico, no qual será aposto carimbo ou registro preenchido com a identificação do comprador e fornecedor pela farmácia ou drogaria, além de anotado no verso a quantidade dispensada, assim como determina a legislação.

Clique aqui para ler a íntegra da resposta da Anvisa sobre questionamento do CRF-SP em relação à prescrição eletrônica com assinatura digital.

Fonte: CRF/SP

Precisando de consultoria para sua farmácia?

Precisa de ajuda para se credenciar no Programa Aqui Tem Farmácia Popular ou para se cadastrar na Anvisa? Fale conosco, nós temos opções de consultoria para auxiliá-los nesses processos. Caso precise do software para as vendas do Programa Farmácia Popular ou para as transmissões do SNGPC para Anvisa, nós temos os softwares Farmácia Popular One e SNGPC One! Entre em contato conosco pelo telefone: (14) 3221-7067 ou email: sac@aelian.com.br!

← Post anterior

Post seguinte →

Cadastre-se e receba mais conteúdo grátis