Falsificação: Cuidados na aquisição de Medicamentos

Alguns cuidados podem evitar a aquisição de medicamentos, medicamentos
semi-acabados e insumos farmacêuticos falsos ou roubados.

O estabelecimento deve adquirir produtos registrados, fornecidos por distribuidores autorizados, com notas fiscais contendo o número do lote do produto. Além disso, compete ao farmacêutico manter-se informado sobre as listas de cargas roubadas divulgadas periodicamente no site da Anvisa.

Notificação de medicamentos, medicamentos semi-acabados ou
matéria-prima (insumo)

De acordo com a Portaria CVS nº 07/2007, em seus artigos 1º e 2º, tem-se que:

Artigo 1.º As empresas fabricantes, distribuidoras ou importadoras, estabelecidas no Estado de São Paulo, devem comunicar ao Centro de Vigilância Sanitária – CVS, a ocorrência de roubo ou furto de medicamento, medicamento semi-elaborado e/ou insumo farmacêutico ativo.

Parágrafo único – A comunicação deve ser efetuada no prazo de 15 (quinze) dias, a partir da data da ocorrência.

Artigo 2.º As comunicações do roubo ou furto de medicamento, medicamento semi-elaborado e/ou insumo farmacêutico ativo devem ser registradas e enviadas ao Centro de Vigilância Sanitária através do Sistema On-line de Comunicação de Roubo de Carga de Medicamentos, disponível na página eletrônica ww.cvs.saude.sp.gov.br.

§ 1° A responsabilidade pela comunicação ao CVS é da empresa emitente da nota fiscal.

Este trâmite deve ser realizado pelo profissional farmacêutico Responsável
Técnico do estabelecimento.

A empresa emitente da nota fiscal deve registrar o roubo ou furto em boletim de ocorrência, pois o número do boletim é solicitado durante a notificação comunicação) à Vigilância Sanitária.

Procedimentos de rotina

 Designed by Freepik

Seguem algumas medidas que podem ser adotadas como procedimentos de
rotina, para verificação no recebimento de medicamentos e/ ou insumos para uso em medicamentos.

No ato do recebimento, deve-se:

  • Observar a integridade da embalagem;
  • Confrontar os dados da nota fiscal de compra com a embalagem do produto (ex.: lote, prazo de validade);
  • Exigir apresentação do Conhecimento de Transporte Rodoviário de Cargas (CTRC).

Em caso de dúvida, deve-se entrar em contato com a empresa que forneceu o
medicamento, ou ligar diretamente para o SAC do fabricante.

Rastreabilidade

Por meio de sistemas informatizados, incluindo ferramentas como o já
conhecido código de barras, é possível rastrear os dados desde a aquisição da
matéria-prima (insumo), passando pela fabricação e distribuição, até sua chegada ao usuário final de medicamentos.

Com isso, fica mais fácil averiguar a procedência do produto e identificar eventuais irregularidades.

Infelizmente, o país ainda não dispõe de nenhum meio completamente seguro
para garantir que o medicamento adquirido na farmácia ou drogaria ou vendido pela distribuidora não é roubado, falsificado ou fraudado.

Várias entidades têm defendido que já existe no Brasil tecnologia suficiente para a criação de um mecanismo de rastreabilidade eficaz e de baixo custo, o qual assegure que todo medicamento em circulação no país seja verdadeiro.

Para isso, é necessário envolver toda a cadeia, permitindo a identificação dos responsáveis pelas fraudes, de tal modo que estes possam ser devidamente responsabilizados (Figura 1).

Figura 1 – Características de um mecanismo de controle eficaz

Fonte: OPAS. Prevenção e Combate à falsificação e fraude de medicamentos: uma responsabilidade compartilhada (2005).

Nessa cadeia, o farmacêutico desempenha o papel fundamental de coibir
o mercado de medicamentos falsos, roubados e adulterados.

De acordo com a Resolução CFF nº 433/05, compete ao farmacêutico elaborar procedimentos e rotinas para notificar o detentor do registro e/ou embarcador e/ou destinatário da carga, e as autoridades sanitárias e policiais, quando for o caso, de quaisquer suspeitas de alteração, adulteração, fraude, falsificação ou roubo dos produtos que transporta, informando o número da nota fiscal, número dos lotes e quantidades dos produtos.

O farmacêutico deve estar atento à procedência dos medicamentos que
produz, manipula, dispensa, armazena ou distribui e denunciar as autoridades
competentes sobre quaisquer suspeitas de irregularidade o mais rápido possível.

Importância do Farmacêutico no Combate ao Roubo e a Falsificação de Medicamentos

O farmacêutico é um elo importantíssimo na cadeia do medicamento,
cabendo-lhe estar sempre atento às Boas Práticas e regulamentações vigentes,
estabelecendo procedimentos seguros, exigindo documentação adequada e mantendo registro de todas as etapas do processo, de forma que possa garantir a procedência dos medicamentos com que trabalha.

Assim, o farmacêutico atuante na área de distribuição e transportes estará
contribuindo para combater o roubo e a falsificação de medicamentos, colaborando para o uso racional de medicamentos e a melhora da qualidade de vida das pessoas que os utilizam.

Já falamos sobre Boas Práticas em um artigo anterior, caso queira saber mais, clique para acessar o artigo!

Fonte: CRF/SP

Precisando de consultoria para sua farmácia?

Precisa de ajuda para se credenciar no Programa Aqui Tem Farmácia Popular ou para se cadastrar na Anvisa? Fale conosco, nós temos opções de consultoria para auxiliá-los nesses processos. Caso precise do software para as vendas do Programa Farmácia Popular ou para as transmissões do SNGPC para Anvisa, nós temos os softwares Farmácia Popular One e SNGPC One! Entre em contato conosco pelo telefone: (14) 3221-7067 ou email: sac@aelian.com.br!

← Post anterior

Post seguinte →

Cadastre-se e receba mais conteúdo grátis